Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ATUALIZAÇÕES:
O MUNDO:  (15-07-2019)
BICHINHOS:  (08-07-2019)
CIDADANIA:  (08-07-2019)
INÍCIO:  (08-07-2019)
EDUCAÇÃO:  (30-05-2019)
CENÁRIO IMOBILIÁRIO  (28-03-2019)
ECONOMIA:  (21-03-2019)
POLICIA:  (28-02-2019)
FUTEBOL AMADOR:  (21-02-2019)
MUNDO CRISTÃO:  (21-02-2019)
ENQUETE:
O Novo Congresso melhorá a vida do Nordestino?
Espero que Sim
Não Acredito
Será Continuísmo
Nenhuma
Ver Resultados

Rating: 0.0/5 (0 votos)

ONLINE
1




Partilhe esta Página



WEB RÁDIO UNIÃO DIVINA:

POR RAZÕES FINANCEIRAS,

FORA DO AR TEMPORARIAMENTE.

DESCULPE-NOS POR FAVOR! 

BREVEMENTE RETORNAREMOS.

 

 

 


TRABALHO E EMPREGO:
TRABALHO E EMPREGO:

NESTA PÁGINA: 

TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL: 

MP QUE DIFICULTA BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS RECEBE 577 EMENDAS:

POLÍCIA FEDERAL-500 VAGAS: CONFIRMADO: EDITAL DO CONCURSO PF SAI ATÉ SEXTA E PROVAS EM AGOSTO;  IMPRESCINDÍVEIS:  OS 5 IDIOMAS MAIS IMPORTANTES PARA OS PROFISSIONAIS BRASILEIRO; PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS: REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHADOR COM FILHO DEFICIENTE É APROVADA NA CDH; INDÚSTRIA, COMÉRCIO E BOLSA FAMÍLIA:  COMISSÃO APROVA REDUÇÃO TRIBUTÁRIA PARA EMPRESA QUE CONTRATAR BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA;  PESQUISA: MINISTROS DO STF TÊM 196 DIAS ÚTEIS POR ANO...

... E OUTRAS.

 




 

TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL: 

MP QUE DIFICULTA BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS RECEBE 577 EMENDAS:

 Texto cria dois programas: o primeiro para análise de benefícios com indícios de irregularidades; e o segundo para revisão de benefícios por incapacidade sem perícia médica há mais de seis meses. Sugestões de mudanças apresentadas por parlamentares ainda serão analisadas por comissão mista.

A Medida Provisória (MP) 871/19, que altera regras de concessão de benefícios previdenciários e cria programas para coibir fraudes, recebeu 577 emendas de deputados e senadores. O prazo para apresentação de sugestões de mudanças ao texto encerrou-se na segunda-feira (11). O debate sobre a MP pode antecipar as discussões sobre a reforma da Previdência que o governo deve enviar ao Congresso nas próximas semanas.

Trabalho - previdência - sistema previdenciário INSS
A medida provisória reduziu, de 30 para 10 dias, o prazo para o beneficiário apresente defesa quando o INSS identificar indícios de irregularidades
IMAGEM: Pedro França-Ag. Senado

O PT foi o partido que mais apresentou emendas (253, ou 44% do total), seguido pelo PSB (49 emendas) e pelo PSDB (40). A maior parte das sugestões de mudanças veio de parlamentares da Bahia (104), do Rio Grande do Sul (83) e de Minas Gerais (61).

O líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS), foi quem apresentou mais emendas, 30 no total. Entre as mudanças, ele quer ampliar o prazo de defesa para trabalhadores rurais em casos de indícios de irregularidade identificados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A ampliação do prazo de defesa também é tema de emenda do deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP). “Isso é para evitar que a pessoa que mora lá no interior do País perca sua Previdência Social”, disse Silva. Para ele, a MP representa a “parte cruel” da reforma da Previdência por não ficar explícita para a maior parte da população.

A medida provisória reduziu, de 30 para 10 dias, o prazo para que o beneficiário ou seu procurador apresente defesa quando o INSS identificar indícios de irregularidade ou erros na concessão do benefício.

Pela MP, o INSS poderá suspender cautelarmente o pagamento de benefícios, caso não seja possível fazer a notificação por rede bancária ou carta simples. Outra emenda de Pimenta quer acabar com essa possibilidade, que, segundo ele, inverte o ônus da prova.

Sanear as contas
Já o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), que não apresentou emendas, elogiou a medida como meio de sanear as contas públicas. “Essa MP mostra que o governo está começando a combater as fraudes previdenciárias, fazendo o máximo de economia antes de começar a reforma.”

De acordo com Kataguiri, há uma ocorrência muito grande de fraudes nos benefícios concedidos para trabalhadores rurais. “Existem acordos escusos do tipo o sindicato fornece o atestado como se o trabalhador tivesse trabalhado, e o cidadão passa parte da aposentadoria para a entidade sindical”, afirmou.

Revisão de benefícios
A MP cria o Programa Especial para Análise de Benefícios com Indícios de Irregularidade (Programa Especial) e o Programa de Revisão de Benefícios por Incapacidade (Programa de Revisão).

O primeiro focará benefícios com indícios de irregularidade, e o segundo revisará benefícios por incapacidade sem perícia médica há mais de seis meses e sem data de encerramento estipulada ou indicação de reabilitação profissional.

Também serão revistos benefícios de prestação continuada (BPC) sem perícia há mais de dois anos e outros benefícios de natureza previdenciária, assistencial, trabalhista ou tributária.

Os programas vão valer até 31 de dezembro de 2020, mas poderão ser prorrogados por dois anos por ato do presidente do INSS e do ministro da Economia.

A medida provisória será analisada por comissão mista, que ainda não foi instalada. Caberá ao relator (a ser designado) definir quais emendas serão aceitas ou não.   Saiba mais sobre a tramitação de MPs   ÍNTEGRA DA PROPOSTA:   MPV-871/2019 

FONTE: Agência Senado Notícias - 12/02/19 - 19h21min. 

TNF: Segunda-feira, 12/02/19 - 22h33min. - Fortaleza-Ceará 

 




  

 POLÍCIA FEDERAL-500 VAGAS:

Confirmado: Edital do concurso PF sai até sexta e provas em agosto.

Está confirmado! A Cebraspe confirmou que o edital do concurso deve sair até esta sexta-feira, dia 15. E o mês de provas também foi informado: será em agosto. O concurso PF 2018 sairá com 500 vagas na área policial, todas de nível superior e as inscrições abrem ainda em junho.  

Confira a distribuição das vagas do concurso PF: 
• Agente - 180 vagas;
• Delegado - 150 vagas;
• Escrivão - 80 vagas;
• Perito - 60 vagas;
• Papiloscopista - 30 vagas.











 IMPRESCIDÍVEIS:

OS 05 IDIOMAS MAIS IMPORTANTES PARA OS PROFISSIONAIS BRASILEIROS.










 PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS:

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHADOR COM FILHO DEFICIENTE É APROVADA NA CDH.

 

Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) realiza reunião com 16 itens na pauta. Entre eles, o PLS 382/2011, que obriga cota de brinquedos para crianças com deficiência em shoppings.  Em pronunciamento, à mesa, presidente eventual da CDH, senadora Ângela Portela (PDT-RR).  Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O trabalhador do setor público e da iniciativa privada que tenha filho deficiente poderá ter sua jornada de trabalho reduzida. Esse é o teor do Projeto de Lei do Senado (PLS) 110/2016, aprovado nesta quarta-feira (30) na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). A matéria segue para análise terminativa na Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

De autoria do senador Waldemir Moka (PMDB-MS), o projeto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para que o trabalhador que possua filho com deficiência tenha sua jornada de trabalho reduzida em 10% sem prejuízo de sua remuneração.

O texto considera pessoa com deficiência aquela que tem impedimentos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que a incapacita para a vida independente e para o trabalho.

A redução da jornada de trabalho se dará mediante requerimento escrito formulado perante o empregador, devidamente instruído com laudo médico elaborado pelos peritos do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) e certidão de nascimento do filho com deficiência.

O benefício terá que ser renovado a cada dois anos. A redução da jornada de trabalho será considerada como tempo de efetivo exercício para todos os fins legais – ou seja, não poderá ter interferência nas férias ou na aposentadoria.

De acordo com o senador Moka, a mudança na lei dá plena efetividade aos princípios constitucionais que protegem a dignidade humana e a família. Ele argumenta que a redução de jornada é um ônus que deve ser suportado pela sociedade e destaca que o percentual sugerido não vai gerar “muitos contratempos e transtornos para o empregador”. Segundo o autor, seu projeto busca proteger a pessoa com deficiência, além de colaborar para que o Brasil seja realmente uma República que respeita seus cidadãos.

Emenda já aprovada na CDH

O PLS já havia sido aprovado na CDH com emenda. Pela emenda, o pedido de redução de jornada deverá conter laudo de avaliação biopsicossocial. Além disso, o benefício não poderá ser apresentado como justa causa para a demissão do funcionário.

Ademais, estabelece que a guarda de mais de um filho com deficiência não acarretará redução maior da jornada. No caso de casal que viva em residência comum, o direito será concedido a ambos os pais. Já no caso de guarda compartilhada, a redução também será para ambos os genitores, mas a porcentagem será proporcional ao tempo de convívio com o filho.

Tramitação em conjunto

Foi elaborado um novo relatório para o PLS na CDH, pois o texto passou a tramitar em conjunto com o PLS 591/2015, de autoria do senador Magno Malta (PR-ES). O PLS 591 concede redução de 50% da jornada de trabalho para mães – e não ambos os pais – de pessoa com deficiência. Mas a relatora, senadora Ângela Portela (PDT-RR), recomenda a aprovação do PLS 110 e a prejudicialidade do PLS 591.

Para Ângela Portela, “parece sensato que se aproveitem os elevados méritos de ambos os projetos, estendendo-se inclusive a garantia da redução da jornada laboral a qualquer dos genitores, independentemente de seu sexo”. Ela lembra que o benefício já existe para os servidores públicos federais, previsto no Regime Jurídico da União. No caso dessa legislação, não é detalhada a porcentagem de redução de jornada.

Ângela Portela apresentou algumas alterações textuais à emenda aprovada na CDH, como a que reforça o requisito da deficiência como motivo para a concessão do benefício, além da que altera a referência à ideia de incapacidade, que poderia ser indevidamente confundida com o instituto da capacidade no direito civil.

FONTE: Agência Senado Notícias-Da Redação | 30/05/2018, 14h05min.

TNF: Quarta-feira, 30/05/2018 - 14h50min. 











 INDÚSTRIA, COMÉRCIO E BOLSA FAMÍLIA: 

 Comissão aprova redução tributária para empresa que contratar

beneficiários do Bolsa Família.

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 7563/17, da deputada Dâmina Pereira (Pode-MG), que institui regime especial de tributação para empresas que tenham pelo menos 40% dos empregados oriundos de famílias beneficiárias do Bolsa Família.

As empresas terão redução de 40% a 100% em quatro tributos (IRPJ, CSLLPIS e Cofins), de acordo com o percentual de trabalhadores no programa. Para locais com 40% de beneficiários, por exemplo, a redução será de 40%. O pagamento desses tributos poderá ser dispensado em caso de contratação exclusiva de beneficiários.

Para cálculo do percentual, não serão considerados contratos de trabalho de experiência, com duração total inferior a 30 dias ou que tenham sido rescindidos antes do dia 15 do respectivo mês. Micro e pequenas empresas não poderão ser beneficiadas pela proposta.

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o projeto de criação da EmbrapaTec, matéria objeto do PL nº 5243/16. Dep. Helder Salomão (PT - ES)
Helder Salomão ressalta que a proposta atenua o impacto fiscal do Bolsa Família:  O empregado ao receber o primeiro salário,  a família do então beneficiário terá o pagamento do programa assistencial suspenso.

O texto condiciona a redução tributária à regularidade fiscal da empresa, à manutenção de documentos para comprovar o vínculo com o Bolsa Família e a programa de treinamento e capacitação de mão de obra. Pela proposta, o treinamento poderá ser feito pelas entidades do Sistema S.

Mercado de trabalho
O relator na comissão, deputado Helder Salomão (PT-ES), recomendou a aprovação da matéria. “O projeto reforça um programa assistencial bem-sucedido, que diminui a vulnerabilidade social da população de baixa renda, viabilizando uma ‘porta de saída’ para os beneficiários no mercado de trabalho”, afirmou.

Salomão acrescentou que a União economizará recursos pagos diretamente às famílias beneficiadas pelo Bolsa Família cujos membros forem contratados dentro do regime, atenuando o impacto fiscal. “Outro aspecto positivo é a participação da empresa no treinamento da mão de obra contratada, o que contribuirá para a elevação da produtividade e da empregabilidade futura desse segmento populacional desfavorecido”, observou.

Ainda conforme o projeto, ao empregado receber o primeiro salário, a família terá o pagamento do Bolsa Família suspenso. Pelo texto, o benefício suspenso não poderá ser redirecionado para outra família. Caso o empregado seja demitido e a família ainda se enquadre no programa assistencial, o benefício voltará a ser dado.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo e já foi aprovada pela Comissão de Seguridade Social e Família, ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

FONTE: Agência Senado - 30/04/18 - 18h34min.

 

TNF: Terça-feira, 01/05/18 - 23h32min.

 

 











 

 P E S Q U I S A:

Ministros do STF têm 196 dias úteis no ano, 31 a menos que população

Juízes gozam de 88 dias de descanso anualmente, excetuando-se feriados,

recesso e interseções entre férias.

 

Ministros do STF têm 196 dias úteis no ano, 31 a menos que população

 Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) têm 196 dias úteis no ano, 31 a menos do que os 227 registrados por outras áreas do setor público e da iniciativa privada. O total de dias de descanso dos magistrados, excluídos feriados, recesso e interseções entre férias, é de 88.

De acordo com levantamento da Folha de S. Paulo, os ministros têm direito a 60 dias de férias anuais, em janeiro e julho, além de 18 feriados, seis a mais do que a população em geral. Beneficiam-se, ainda, de recesso de fim de ano ocorrido entre 20 de dezembro e 6 de janeiro.

Entidades do setor alegam que os magistrados possuem grande carga de trabalho, que atuam fora do horário do expediente sem ganhar hora extra e que possuem responsabilidade superior às da maioria dos profissionais das outras profissões.

Os juízes do STF têm salário mensal de R$ 33.763. Com as duas férias anuais são mais R$ 22,5 mil ao ano, relativos ao adicional de um terço do salário por cada um dos dois períodos. Também têm direito a passagens aéreas para suas cidades de origem, imóvel funcional em Brasília e carro Hyundai Azera com motorista passível de ser usado para compromissos particulares.

 

FONTE: Notícias ao Minuto - 1º de Abril de 2018

TNF: Domingo, 1º de Abril de 2018 - 09h26min. 

 










 

 ATITUDE EMPREENDEDORA:

OS DESAFIOS DA MULHER EMPREENDEDORA:

Pesquisas Mostram que, além de outros Pontos, Elas Enfrentam Dificuldade de Conseguir

Créditos Expressivos e Sentem Medo do Fracasso.

 

 CRÉDITOS: SEBRAE

 

Investimento desigual:

Uma pesquisa realizada pelo instituto norte-americano GEDI mostrou que o número de mulheres empreendedoras que desejam crescer 50% e empregar, no mínimo, 10 funcionários nos próximos cinco anos cresceu 7% (link em inglês) em uma escala global. Mas, para que esse sonho vire realidade, elas enfrentam barreiras sociais e econômicas, fazendo com que o caminho para o sucesso seja ainda mais desafiador.

Entenda melhor o atual cenário do empreendedorismo feminino e alguns dos entraves que ainda existem para as mulheres crescerem nos negócios.

Nos últimos anos, o número de mulheres que começaram a empreender cresceu muito, tanto no Brasil como em outros países. Atualmente, cerca de 30% (link em inglês) de todos os negócios privados do mundo são operados ou têm como idealizador uma mulher. Esse dado seria promissor, se não fosse por um fato: apenas uma pequena parcela dessas organizações consegue ser considerada de alto impacto.

Nos Estados Unidos, por exemplo, apenas 2% (link em inglês) das empresas lideradas por mulheres geram mais de US$1 milhão em receitas anuais. E um estudo com empresas norte-americanas conseguiu identificar uma das causas: investimento desigual por parte de instituições financeiras.

Menos de 10% das empresas (link em inglês) lideradas por mulheres recebe investimento externo. Estimativas demonstraram que, se essas mesmas organizações recebessem uma ajuda financeira igual às dos negócios dirigidos por homens, seis milhões de empregos seriam gerados em apenas cinco anos.

Desestímulo:

Além das dificuldades de conseguirem investimentos mais expressivos, as mulheres também encontram outros obstáculos pelo caminho da ascensão dentro do mundo empresarial. Por mais que 70% dos líderes de negócios concordem que a diversidade de gênero melhora a performance da organização, o número de mulheres em cargos altos dentro de empresas cresceu apenas 5% (link em inglês) nos últimos quatro anos.

Mesmo com 80% dos empreendedores (link em inglês) reconhecendo que muito ainda deve ser feito para que as mulheres sintam-se atraídas por cargos de liderança, apenas 13% acreditam (link em inglês) que essas mudanças vão realmente sair do papel. Esse desencorajamento no ambiente de trabalho é refletido em dados: 43% das mulheres veem o medo do fracasso como o principal empecilho para não abrir a própria empresa. Com os homens, a mesma taxa cai para 34%.

Esse cenário também é responsável pela queda na porcentagem de mulheres que desejam crescer dentro dos empreendimentos. Estudos revelam que, nos primeiros anos depois de entrarem em uma empresa, cerca de 60% das mulheres apresenta uma vontade de subir de cargo, mas esse número cai pela metade à medida que os anos vão se passando e elas não têm suas habilidades reconhecidas.

Depois de aproximadamente cinco anos, as mesmas mulheres que desejavam ascender de cargo já se conformaram com a atual posição por acreditarem que não são capazes ou não têm as habilidades necessárias para conquistar promoções.

Educação desigual:

A educação é outro fator que, direta ou indiretamente, afeta as mulheres na hora de empreender. Para começar, em diversas partes do mundo, aproximadamente 60 milhões de mulheres são privadas do direito ao estudo, e é no ambiente escolar que desenvolvemos habilidades pessoais, muitas das quais são de extrema utilidade para empreender. 

Em uma pesquisa realizada na Austrália, 57% dos homens entrevistados declararam acreditar que tinham as habilidades e o conhecimento necessários para abrir um negócio, em comparação com 30% das mulheres. 

A falta do ambiente escolar também se reflete no quesito de networking, uma vez que as mulheres têm uma probabilidade menor de conhecer pessoas que tenham aberto algum negócio. Essa realidade é comprovada por dados: 42% dos homens são mais propícios a conhecer alguém que tenha começado a empreender nos últimos dois anos, enquanto essa taxa baixa para 27% quando falamos sobre mulheres. 

Sexismo: 

O sexismo (link em inglês), ou seja, a discriminação baseada nos estereótipos de gênero, é um fator que permeia a caminhada da mulher desde a contratação por uma empresa até a hora em que ela deseja abrir o próprio negócio. 

Um estudo realizado nos Estados Unidos demonstrou que as mulheres eram mais contratadas pelas empresas que não pediam fotos nos currículos ou não sabiam o sexo da pessoa que estavam analisando.  

Além disso, as mulheres ainda sofrem julgamentos desiguais (link em inglês) em relação aos homens, que são considerados mais competentes em assuntos relacionados a negócios. Essa discriminação torna mais difícil para as mulheres encontrar um ambiente propício para o desenvolvimento dessas habilidades. 

Esse cenário é ainda pior em setores como tecnologia e informática, nos quais a presença feminina é extremamente baixa. Uma pesquisa realizada em 2015 revelou que a participação de mulheres nesse setor caiu 19% (link em inglês), mesmo com os avanços tecnológicos dos últimos anos. 

O ambiente que temos hoje pode não ser o mais propício para as mulheres que desejam empreender, mas uma notícia é boa: as mudanças necessárias para esse cenário podem começar com todos nós, dentro e fora das empresas. 

 

FONTE: SEBRAE/ Endeavor Brasil  

 

TNF: Terça-feira, 06/03/18 - 16h40min.

 

 












 

 

AGORA DÁ PARA ENCONTRAR EMPREGO PELO GOOGLE.

 

Veja Como:  

 

O Google quer te ajudar a arrumar um emprego. A empresa anunciou nesta terça-feira, 30, o lançamento de um novo recurso para quem está procurando trabalho, catalogando anúncios de vagas e organizando-os de uma forma racional direto no buscador da empresa. 

 

IMEGEM: Reprodução 

A função vem em um momento importante, com uma estimativa de 12% da população brasileira desempregada, segundo números recentes do IBGE. A ideia do Google é tornar mais fácil a vida do usuário na hora de encontrar uma vaga de acordo com o seu perfil. 

Isso inclui a possibilidade de filtrar as vagas por critérios de proximidade, o que pode ser importante para quem quer trabalhar perto de casa para poder ter mais tempo para cuidar dos filhos, por exemplo, ou simplesmente só não quiser passar horas no deslocamento diário. Também é possível direcionar a busca por termos mais específicos, como “emprego de advogado em São Paulo”, no exemplo dado pelo próprio Google. 

Para oferecer esse serviço, o Google coleta informações de vários sites de anúncios de vagas, que incluem LinkedIn, Love Mondays, Empregos.com.br, OLX, Trampos.co e Vagas.com.br. As posições abertas listadas nestes sites ficarão acessíveis diretamente do buscador do Google. 

O Google anunciou o novo recurso na metade de 2017, durante o Google I/O, sua conferência anual com desenvolvedores. Na ocasião, a empresa havia limitado o alcance da função aos Estados Unidos, mas agora trouxe a novidade para a América Latina, primeiro mercado fora dos EUA a receber a expansão.

FONTE:Notícias ao Minuto 30/01/18

-RENATO SANTINO-30/01/2018-15h00min. CARREIRAEMPREGOS

TNF: Terça-feira, 30/01/18 - 15h33min. 

 











 

 

TRABALHO ESCRAVO:

 

DIA 28 DE JANEIRO É MARCADO COMO O DIA NACIONAL DE COMBATE AO TRABALHO
ESCRAVO NO BRASIL.
A Comissão Pastoral da Terra (CPT) possui uma campanha permanente
desde o ano de 1997 cujo nome é
“De olho aberto para não virar escravo” . Imagem: CNBB
No dia 30 de outubro de 2009 foi publicada no Diário Oficial da União a lei nº 12.064 que instituiu o dia 28 de janeiro de cada ano como sendo o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo no Brasil. A data foi escolhida em homenagem aos auditores-fiscais do trabalho Eratóstenes de Almeida, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e ao motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados quando investigavam denúncias de trabalho escravo em Unaí (MG).

Informações recentes estimam a ocorrência de 200 mil trabalhadores no país vivendo em regime de escravidão, segundo dados do Índice de Escravidão Global, elaborado por Organizações Não Governamentais (ONGs) ligadas à Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O bispo de Ipameri (GO), Dom Guilherme Werlang, presidente da Comissão para a Ação Social Transformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lembra que em outubro de 2017, durante reunião de seu Conselho Permanente, a CNBB se manifestou repudiando de forma muito forte a Portaria nº 1.129 do Ministério do Trabalho.

Segundo o religioso a iniciativa do Governo Federal elimina as proteções legais contra o trabalho escravo arduamente conquistadas, restringindo-o apenas ao trabalho forçado com o cerceamento da liberdade de ir e vir. “A Portaria permitia, também, a jornada exaustiva e condições degradantes, prejudicando assim a fiscalização, autuação, penalização e erradicação da escravidão por parte do Estado brasileiro”, disse.

Mapa do trabalho escravo – Não por coincidência, as manchas mais escuras no mapa ao lado indicam um maior número de trabalhadores escravizados resgatados nas zonas de expansão da fronteira agrícola do país, atingindo, em maior parte, trechos das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O Brasil, segundo um ranking elaborado pela Organização Não Governamental Walk Free Foundation, ocupa a 94ª posição no mundo entre os países que, proporcionalmente à sua população, mais possuem trabalhadores em regime de escravidão. Apesar de as ações brasileiras serem consideradas exemplares internacionalmente, o país ainda encontra dificuldades em avançar nessa questão, pois esbarra em vários interesses, principalmente de latifundiários.

A Igreja no Brasil, por meio da Comissão Pastoral da Terra (CPT) foi pioneira neste trabalho, levando denúncias, inclusive, à ONU. A CPT possui uma campanha permanente desde o ano de 1997 cujo nome é “De olho aberto para não virar escravo” e ajudou a libertar milhares de pessoas.

A CNBB, desde 2012, vem atuando com o Grupo de Enfrentamento do Trabalho Escravo constituído por várias pastorais da Igreja no Brasil. Este GT, em 2016, foi transformado numa Comissão Episcopal Pastoral Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano para fortalecer ainda mais o trabalho de articulação e o diálogo permanente entre as distintas iniciativas existentes no seio da Igreja no Brasil e em parceria com outros segmentos sociais.

A política de erradicação do trabalho escravo no Brasil foi muito destacada pela comunidade internacional e pelas organizações da ONU e da OEA em função dos resultados que produziu: libertou mais de 52 mil pessoas de 1995 para até 2017 (metade delas na Amazônia, palco de 70% dos casos identificados) e possibilitou que se pactuasse compromissos nacionais para eliminar essa prática, envolvendo a sociedade civil, os governos estaduais e setores empresariais.

A Igreja, segundo dom Guilherme, tem um papel importante de cobrar dos governantes que tal política seja sempre mais fortalecida, que os infratores flagrados praticando trabalho escravo sejam punidos. “Não se pode, em hipótese alguma, retroceder na política nacional de combate ao trabalho escravo, iniciada a mais de 20 anos. As autoridades precisam tomar consciência desta trágica realidade do trabalho escravo, que constitui um retrocesso para a humanidade”, disse.

FONTE: Portal da CNBB-Nordeste1

TNF: Sexta-feira, 26/01/18-12h42min.

 








ESTABILIDADE A VISTA:
Pelo menos 21 órgãos abrem inscrições com 2,8 mil vagas nesta segunda: 

 

Os salários chegam a R$ 13.192,58 na Prefeitura de  Nova Xavantina (MT); 

 

 

 © Renato Araújo / ABr 

Nesta segunda-feira (15), pelo menos 21 órgãos públicos vão abrir inscrições para concursos. Serão disponibilizadas 2,8 mil vagas, com oportunidades para todos os níveis de escolaridade. De acordo com o G1, os salários chegam a R$ 13.192,58 na Prefeitura de Nova Xavantina (MT). Já na Prefeitura de São Félix do Araguaia (MT), a remuneração é de até R$ 12.519,66.

Confira a lista abaixo:

Câmara de São Gonçalo do Rio Abaixo (MG):

Inscrições até 14 de fevereiro

Vagas: 9

Salário máximo: R$ 4.168,15

Escolaridade: médio e superior

Consórcio Intermunicipal de Saúde do Araguaia (MT):

Inscrições até 19 de janeiro

Vagas: 24

Salário máximo: R$ 11.910,67

Escolaridade: fundamental, médio e superior

Local: São Félix do Araguaia

Indústrias Nucleares do Brasil (INB):

Inscrições até 8 de fevereiro

Salário máximo: R$ 6.094,00

Escolaridade: médio, técnico e superior

Locais: Caetité (BA), Caldas (MG), Resende (RJ) e Rio de Janeiro

Prefeitura de Angra dos Reis (RJ):

Inscrições até 26 de janeiro

Vagas: 110

Salário máximo: R$ 3.070,20

Escolaridade: fundamental, médio e superior

Prefeitura de Camanducaia (MG):

Inscrições até 15 de fevereiro

Vagas: 167

Salário máximo: R$ 3.949,29

Escolaridade: alfabetizado, fundamental, médio e superior

Prefeitura de Campo Mourão (PR):

Inscrições até 9 de fevereiro

Vagas: 58

Salário máximo: R$ 11.922,32

Escolaridade: fundamental, médio e superior

Prefeitura de Carapicuíba (SP):

Inscrições até 15 de fevereiro

Vagas: 222

Salário máximo: R$ 2.747,00

Escolaridade: fundamental, médio e superior

Prefeitura de Iracema do Oeste (PR):

Inscrições até 15 de fevereiro

Vagas: 16

Salário máximo: R$ 7.057,86

Escolaridade: fundamental, médio e superior

Prefeitura de Jaru (RO):

Inscrições até 17 de janeiro

Vagas: 77

Salário máximo: R$ 1.786,16